quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Provas Finais - 6° Período

Estabilidade das construções: Passeeeeei diretoooo! Caral*&¨!!! 
Mecânica dos Solos: Direto!
Instalações Elétricas: Direto!
Conforto Térmico e Acústico: Direto!
Planejamento Urbano: Di-re-to!
Saneamento Urbano: Isso mesmo!

Como eu me sinto nesse momento:


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Final de semestre!

Provas de francês e de Estabilidade no mesmo dia...

-Defina as reações nos apoios:
-Bonjour?

-Ça fait combien?
-Apoio móvel... Com certeza!



sábado, 3 de novembro de 2012

Por que eu amo Above and Beyond?

Por isso! *-*

#TATW450 Trailer - Bangalore (Feat. Lagori)


sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Patagônia abate gaivotas em Valdés para proteger baleias de ataques

Estou em luto minha gente...
Passei um bom tempo tentando capturar algumas gaviotas em minhas fotografias quando estavamos em Valdés, e agora estão sendo assassinadas. Que fase. Uma homenagem à elas, ja que as baleias não estavam lá naquele dia!


O governo da província argentina de Chubut, na região da Patagônia, iniciou nesta semana uma operação de abate de gaivotas que estão ferindo e, provavelmente, provocando a morte das baleias no centro turístico da península Valdés, conhecido como local de acasalamento e berçário do mamífero.

"Esse problema entre as gaivotas 'picadoras' (que mordem) e as baleias existe há mais de 20 anos, mas agora decidimos enfrentar a situação, que está afastando as baleias daqui", disse à BBC Brasil o secretário de Ambiente e Controle de Desenvolvimento Sustentável, Eduardo Maza.

Segundo Maza, haverá um abate seletivo das gaivotas apontadas como possíveis responsáveis pela morte de cerca de 60 baleias nos últimos anos.

Maza afirmou que estudos preliminares indicaram que as baleias morrem pela infecção provocada pelas feridas deixadas por estas aves.

A operação de abate envolve lanchas especiais com atiradores com armas carregadas de balas de ar comprimido e biólogos que vão agir longe da área frequentada pelos turistas.

"Nós vamos passar algumas horas na lancha observando quais gaivotas estão atacando as baleias, e um especialista em tiro de caça as derrubará. Serão eliminadas somente as gaivotas que atacam as baleias", disse o biólogo Marcelo Bertellotti, do Centro Nacional Patagônico, com sede em Puerto Madryn.

Detalhes

A operação deve durar entre 30 e 60 dias, dependendo dos dias hábeis para a navegação. Em uma segunda etapa, as gaivotas abatidas serão analisadas em laboratório, para tentar descobrir por que agem contra as baleias.

"Estamos observando estas ações desde 2005 e vemos que antes as gaivotas atacavam as baleias mortas, mas agora também agem contra as vivas", disse o biólogo.

As primeiras informações, divulgadas pela imprensa local, indicaram que forças policiais agiriam contra as gaivotas, gerando críticas da oposição.

"A polícia deve agir contra a delinquência, e não contra gaivotas", disseram opositores, segundo a imprensa de Chubut.

Autoridades e especialistas de Chubut afirmaram que foram, então, convocados profissionais de tiro ou de caça para o combate aos pássaros - cientificamente chamados de gaivota larus dominicanos e popularmente conhecidas na Argentina e no Uruguai como "gaivota cozinheira".

Maza observou que a operação só deverá continuar se mostrar que foi efetiva contra as gaivotas violentas.

Comportamento

Com medo dos ataques, as baleias estão mudando o comportamento.

"Pela dor provocada pelas feridas, as baleias estão nadando mais rápido, estão passando mais tempo submersas e produzindo saltos de forma mais intensa. Tudo para se proteger das ações das gaivotas 'cozinheiras'", afirmou o ambientalista Alejandro Arías, da ONG Vida Silvestre.

Segundo os especialistas, a baleia já não mostra o dorso inteiro com a mesma frequência de tempos atrás para buscar oxigênio fora da água.

"A ação das gaivotas está provocando uma espécie de estresse nas baleias, que, em vez de estarem cuidando da cria, estão atentas a como se proteger dos ataques", disse Arías.

De acordo com Maza, a decisão de combater as gaivotas foi tomada em um auditório com a participação de autoridades, cientistas, setor de turismo e organizações não-governamentais (ONGs).

O problema é outro

Mas a medida ainda gera ressalvas. A Vida Silvestre entende que a raiz do problema é outro - os lixões e os restos de pesca jogados pelos pescadores ao mar que atraem estas gaivotas.

"A ação contra as gaivotas é superficial, não é a questão de fundo", disse Arias.

Em um comunicado, outra ONG, a Fundação Patagônia Natural, disse que é "a favor da eliminação seletiva (das gaivotas) e dos lixões a céu aberto" que atraem a ave e que "é preciso avaliar a eficiência do projeto piloto" do governo.

Autoridades disseram que o "combate aos lixões e aos restos da pesca" também estão nos planos de ação para proteção do mamífero.

Segundo o jornal El Chubut, "atualmente todas as baleias do local estão com feridas de gaivotas".

Turismo

A península Valdés é conhecida internacionalmente como ponto de concentração da baleia Franca Austral e atrai cerca de 100 mil turistas por ano.

Especialistas explicam que a baleia chega ao local entre maio e dezembro para acasalamento e nascimento dos mamíferos.

Entre 50 e 80 baleias nascem todos os anos na reserva natural - uma das maiores do mundo.

No passeio pelo local, alguns guias turísticos costumam contar detalhes do comportamento da baleia - o acasalamento dura apenas alguns minutos e a baleia dá "maior prioridade" à cria do que à relação "de casal".

No passado, a baleia franca foi cassada quase até a extinção, recordou o biólogo argentino. Agora, está protegida por leis internacionais e em fase de multiplicação no mundo.

Na Argentina, é também considerada "monumento nacional" e podem chegar a ser milhares a visitar a península Valdés durante o ano todo.

 Valdés, Sdd! ;/


Fonte: UOL

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Viagem ao Fim do Mundo - Pt. 01

 Eu não tenho coragem de postar todas as fotos da viagem à Patagônia no Facebook,
alguém disse uma vez que ele não merece tanto. Haha!
 Por isso, e sem pressa, eu vou postá-las por aqui acompanhadas sempre de suas histórias.

 Ainda que minha péssima memória não permita fazer isso com clareza, eu vou tentar lembrar a ordem da viagem.

 Início da viagem - 28/12/2011

 Depois de um dia de viagem, atravessando os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, conhecemos os Bagés da cidade de Bagé. No dia seguinte, à chegada ao Uruguay: terra de pessoas incrívelmente educadas e simpáticas!
 Eu não consigo, definitivamente, recordar-me de algum Uruguaio que tenha passado uma má impressão.
 E o mais importante da nossa passagem por lá: fizemos amigos que vão ser levados por toda a vida:
 Pablo, Vale e Guilhermo serão muito bem vindos ao Brasil.

 Primeira cidade de lá: Mello. Todas as pessoas zanzando pela cidade de motos sem capacetes! =O
 Muito linda, e uma ótima primeira impressão.
 E a primeira refeição uruguaya: o chivito!
O dia seguiu até Punta del Diablo, com direito a pista de pouso de emergência para aviões no meio da rodovia.O cheiro de verniz está agora nostálgico graças à cabana de madeira novinha em que ficamos por lá.
 Depois La Paloma, a praia com bosques de pinos, próxima a Laguna de Rocha, que é salgada, a propósito(sim, eu provei!)!
 A vadia do GPS me fez acreditar que a costaneira passava pela Laguna, o que nos garantiu uma grande volta...


Devia ter sido: 15 -15 - 15 - 10 -10 -10 -10...
Foi: 15 - 15 - 15 - ... - Patos nadando - 15 - 15 - 15 - 9 - 9 - 9...

Depois de lá, Punta Del Este. Praia de gente pobre...
Horas sentados na praia embaixo de um guarda-sol tomando cerveja e ouvindo AC/DC.
Esse episódio me garantiu a primeira queimada, porque albina quando vai pra praia é assim mesmo.
Resultado: chegamos em Montevideo ao anoitecer, com um desmaiado. E eu provei a mais maravilhosa pizza do Uruguay, em um bar chamado "Homero", uma homanagem ao Homer cheio de quadros dos Simpsons!

E finalmente, no dia 31 de dezembro conhecemos o estádio Uruguayo onde aconteceu a primeira copa do Mundo... grande coisa!
A tarde iamos conhecer todas as praças e pontos históricos da capital uruguaya, mas tinha uma festa mais importante e acabamos passando a tarde toda enchendo o c* de cerveja!



Foi aí que ficamos super amigos da Val, do Pablo e do Guilhermo...
E foi aí que eu tomei um banho de cerveja, de água... vai saber do que mais.
E fiz amizade com o DJ de um dos PUB's...



E eu não vou comentar que virei mig's de um traveco... Deixa isso baixo.
Terminamos a tarde na casa do Pablo, bebendo e discutindo futebol.


O resultado da festa foi sair do hotel faltando 5 minutos pro ano novo... e finalmente encontrar a praia e lembrar das pessoas que eu amo, e desejar um feliz año!!!


Conclusão: Eu fui batizada em frente à El Pony Pisador, agora soy Uruguaya.

 Não perca o próximos posts sobre a Viagem ao Fim do Mundo: Geleiras, Pinguins, os Andes e o Farol do Fim do Mundo... ( Voz do cara do Globo Repórter...)
.

Um beijo. Vanessa Wiebbelling

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Ahhh, a engenharia!!!

Dois trabalhos para entregar e apresentar na semana do carnaval!

Muito feliz!

...



Hidráulica e Fundamentos de arquitetura: obrigada!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Melody Gardot

Eu definitivamente admiro a Melody Gardot...
Uma excelente cantora, nada extravagante e elegantíssima!
Eu sou fã.
E essa música em especial, é a minha preferida do mundo. =D

Aquela música que você não consegue não cantar, e estala os dedos no ritmo...



- Who Will Comfort Me (Live on Abbey Road)